CYBERBULLYING: O QUE É, COMO PREVENIR E COMO INTERVIR

Todos os inventos humanos tem pelo menos dois lados: podem ser extremamente agradáveis ou constituírem um perigo. Tudo depende da forma como os usamos.

Na era digital, a fácil comunicação nos privilegia com redes sociais, Whatsapp, entre outros, que veio claramente alterar de alguma forma nossas relações sociais.

Hoje conseguimos com facilidade encontrar pessoas perdidas no tempo e no espaço da nossa vida, estabelecer e manter contato com as que merece nosso afeto, mas também difamar, ridicularizar, constranger, maltratar, uma nova forma de bullying: o cyberbullying.

Fotos ou conversas íntimas, ao serem partilhadas com alguém pela internet, facilmente são partilhadas com toda a comunidade internauta podem tornar-se virais, o ato pode ocorrer com qualquer aparelho que permita divulgação escrita, oral ou por imagens.

Existem momentos que não são necessários registra-los.

A memória é o melhor e mais fiel depósito desses momentos, com a vantagem de termos acesso a ela a qualquer momento e pelo tempo que quisermos, sem corrermos o risco de sermos ridicularizados, humilhados ou intimidados. 

Confira abaixo algumas medidas que podem minimizar/evitar situações de cyberbullying:

Para os pais:

  • Negociar regras de utilização da internet: do mesmo modo que não deixamos os nossos filhos irem sozinhos a locais desconhecidos, mesmo na adolescência, não se pode deixa-los em casa com uma porta escancarada para o mundo sem nenhuma proteção;
  • Alertar para os perigos da Internet: se possível, mostrar exemplos verdadeiros, como notícias por média;
  • Manter o computador ligado à internet num local comum;
  • Saber a password das redes sociais: os jovens têm direito à sua privacidade, porém por proteção, é a decisão ideal;
  • Reportar a situação o mais rápido possível ao administrador do sítio (clicar em “reportar abuso”) e às entidades competentes (Polícia, GNR, Escola Segura…);
  • Mudar número de telefone, email, passwords, se suspeitar ou sofrer destas situações.

Para os filhos:

  • Não partilhar informação pessoal, número de telefone, fotos, escola e/ou locais que frequenta;
  • Consciencializar que o(a) namorado(a) de sonho pode agir de má fé e pedir para filmar, fotografar atos de intimidades, o que pode tornar-se um pesadelo e colocar online toda a informação;
  • Nas redes sociais, adicionar apenas conhecidos, e manter o perfil restrito;
  • Caso seja vítima de cyberbullying, pedir ajuda imediatamente aos pais ou professores;
  • Assim como todos os tipos de bullying, também traz um sofrimento enorme, e em casos extremos, pode provocar depressão e até suicídio. Por isso, não publicar nem divulgar informações negativas sobre alguém.

Fonte: https://www.portoeditora.pt/paisealunos/pais-and-alunos/noticia/ver/?id=28305&langid=1

Posts Similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *